Fenômenos incríveis e difícil de acreditar

Alguns fenômenos naturais impressionantes que não podem deixar de olhar, se gostarem deixem seus comentários e compartilhem, obrigado.

Tempestade de Areia

A "Tempestade de Poeira" propriamente dita se trata de uma grande massa de partículas de poeira, ou areia é deslocada por ventos turbulentos e fortes e elevadas do solo até a uma altura considerável. Algumas vezes esses fenômenos são provocados por redemoinhos de vento.
São mais freqüentes em regiões com grande quantidade de areia e baixa umidade, como desertos.
Redemoinhos, Ocorrem quando o solo se aquece em determinado ponto, transferindo esse calor à porção de ar que está parada logo acima dele. Quando atinge uma determinada temperatura, esse ar sofre rápida elevação, subindo em espiral e cria um mini centro de baixa pressão. Devido ao princípio da conservação do momento angular esse redemoinho ganha velocidade e acaba levantando a poeira do solo, fazendo com que um funil de 'sujeira' seja visível. Ele pode apresentar desde alguns centímetros até muitos metros de altura.
Tempestade-de-areia-Iraque
Tempestade de Areia, Iraque

Raio Globular (Ball lightning)

É geralmente associado com trovoadas, mas dura muito mais tempo do que a fração de segundo de um relâmpago de raio. Muitos dos primeiros relatos dizem que a bola finalmente explode, por vezes com consequências fatais, deixando para trás o odor de enxofre. Até os anos 1960, a maioria dos cientistas argumentavam que raio globulares não eram um fenômeno real, apesar de inúmeras aparições em todo o mundo e em diferentes épocas. 
Experimentos de laboratório podem produzir efeitos que são visualmente semelhantes aos relatos de raio globulares, mas ainda não se sabe se tais fenômenos estão relacionados.
Dados científicos sobre os raios globulares naturais ainda são escassos, devido à sua raridade e imprevisibilidade. A presunção de sua existência baseia-se em avistamentos públicos relatados e, portanto, tem produzido resultados um pouco inconsistentes. Dada incoerências e falta de dados confiáveis, a verdadeira natureza do relâmpago globular ainda é desconhecida. O primeiro espectro óptico do que parece ter sido um evento de raio globular foi publicado em janeiro de 2014 e incluiu um vídeo. O registro foi feito em Lanzhou, na China.
video

Origem do vídeo: dailymail. co .uk

Imaginação popular, Não há como falar sobre relâmpago globular inteiramente sem pelo menos mencionar as alegorias e repercussões sociais advindas do imaginário popular a respeito desse fenômeno. Nesse aspecto, o conceito de Objeto voador não identificado torna o relâmpago globular um candidato perfeito, já que se trata de um fenômeno raro, pouco documentado, e cuja ocorrência, somada a crenças muitas vezes pseudocientíficas, leva as pessoas comuns a especular sobre a possibilidade do relâmpago globular constituir elemento de uma realidade fantástica.

Gravura-raio-globular-a-entrar-pela-janela (1901)
Gravura de um raio globular a entrar pela janela (1901)
Origem da Imagem: commons wikimedia

Penitentes (Nieve penitentes)

O nome vem da semelhança a um campo de penitentes, uma multidão de pessoas ajoelhadas fazendo penitência. A formação evoca os hábitos altos e pontudos usados ​​pelos irmãos das ordens religiosas nas Procissões da Penitência durante a Semana Santa da Espanha. Em particular, os chapéus dos irmãos são altos, estreitos e brancos, com um topo pontudo.
Os penitentes foram descritos pela primeira vez em literatura científica por Charles Darwin em 1839. Em 22 de março de 1835, ele teve que atravessar campos de neve cobertos de penitentes perto do Passe Piuquenes, no caminho de Santiago, no Chile, até a cidade argentina de Mendoza, e relatou a crença local que eles foram formados pelos fortes ventos dos Andes.
Penitentes-fronteira-entre-Chile-e-Argentina
Penitentes fronteira entre Chile e Argentina
Fonte da Imagem: commons wikimedia


Penitentes-gelo-neve
Penitentes, gelo e neve

Nuvens de Rolo (Glória da Manhã)

É um fenômeno meteorológico raro, é uma nuvem em forma de rolo que pode atingir até 1.000 km de comprimento e de 1 a 2 km de largura e que pode se deslocar a velocidade de até 60 km/h. Forma-se a uma altitude de 100 a 200 metros do solo. Os meteorologistas ainda não conseguem explicar totalmente sua origem.
Este fenômeno também já foi registrado no Brasil, México, Inglaterra, Alemanha, Rússia e Estados Unidos. No Brasil há seis casos registrados da nuvem. Um ocorrido em 2007, na bacia de Campos, Rio de Janeiro, que foi filmado por uma equipe da Petrobras, cuja duração foi de cerca de 3 horas. O segundo, em agosto de 2011, próximo a cidade de Rio Grande, Rio Grande do Sul. O terceiro, em dezembro de 2013, no litoral de São Paulo. O quarto, no dia 05 de agosto de 2014, na Grande Vitória (Vitória, Villa Velha, Serra e Cariacica), no Espírito Santo. O quinto, no dia 13 de julho de 2015, no oeste do estado de Santa Catarina. E o sexto, no dia 07 de agosto de 2016, em São João da Barra, Cidade do interior do Estado do Rio de Janeiro - o fenômeno durou algumas horas, tempo suficiente para atrair muitos curiosos.

Nuvem em forma de tubo aparece no Espirito Santo Brasil

Fonte Hidrotermal

Fontes hidrotermais podem ocorrer no continente, na forma de gêiseres ou fontes termais, mas são mais comuns no oceano em áreas de atividade tectônica, principalmente em zonas de divergência de placas onde nova crosta oceânica é formada. Nestes centros de espalhamento, conforme o magma atinge menores profundidades, ele é resfriado por transferência de calor para a água do mar ou para as rochas da crosta adjacentes. A circulação hidrotermal é dirigida por este calor transferido conforme a água do mar percola através das fraturas próprias da crosta oceânica recém-formada. A água aquecida sobe pelo aumento de pressão até retornar ao oceano. O tempo de residência da água do mar nos interstícios da crosta oceânica pode atingir até 3 anos.
Existem dois tipos de fontes hidrotermais no oceano: fumarolas negras e fumarolas brancas.

Fumarolas Negras, apresentam solução hidrotermal rica em sulfetos metálicos, os quais atribuem a ela a cor escura. Para carregar esses metais em solução, a temperatura da solução que chega do assoalho oceânico atinge entre 200 e 380 °C. Esse tipo de fonte hidrotermal é predominante no eixo principal das cordilheiras meso-oceânicas.
Fumarola-Negra-Oceano
Fumarola Negra, Oceano
Fonte da Imagem: commons wikimedia

Fumarolas Brancas, apresentam solução hidrotermal rica em óxidos de bário, cálcio e silício, responsáveis pela sua cor clara, com temperatura entre 5 e 60 °C. Geralmente ocorrem na periferia do campo hidrotermal ou na zona de fratura das cordilheiras oceânicas.
Fumarola-Branca-Oceano
Fumarola Branca, Oceano
Fonte da Imagem: commons wikimedia

Árvore do Sangue de Dragão

Árvore nativa de Socotra Arquipélago, parte do Yemen, localizado no mar da Arábia. A árvore de sangue de dragão tem uma aparência única e estranho, com uma "coroa virada para cima, densamente tendo a forma de um guarda-chuva retamente realizada". Esta espécie evergreen é nomeado após seu escuro resina vermelha, que é conhecido como "sangue de dragão".
Arvore-de-sangue-de-dragão
Árvore de sangue de dragão

 
Foto Origem: commons wikimedia

Chocolate Hills

Os montes do chocolate é uma famosa atração turística de Bohol. Eles são caracterizados na bandeira provincial e selar a simbolizar a abundância de atrativos naturais na província. Eles estão em lista de destinos turísticos nas Filipinas da Autoridade de Turismo das Filipinas.
Os montes do chocolate formar um terreno ondulado de colinas Haycock - montes de uma forma geralmente cônica e quase simétrica. Estima-se que tenham de 1268 a cerca de 1776 montículos individuais, estes ou colinas em forma de cúpula são realmente feitas de cobertas de grama em forma de cone de calcário.
Chocolate-Hills-Filipinas
Chocolate Hills, Filipinas
Origem da Foto: commons wikimedia


Origem das Pesquisas: Wikipedia


Postagens mais visitadas deste blog

TERREMOTO DO HAITI EM 2010 E SUAS CONSEQUÊNCIAS

COMO SÃO OS FENÔMENOS NATURAIS EM NOSSO PLANETA

FURAÇÃO MATTHEW 2016 E SUAS CONSEQUÊNCIAS NO HAITI

FENÔMENOS METEOROS